-

Forro de Gesso

Forro de Gesso

Forro de Gesso e suas vantagens

O forro de gesso tem sido muito usado por arquitetos para reformas, pois com ele é fácil de corrigir imperfeições das lajes e vigas, além disso oferece flexibilidade no projeto de iluminação e também da acústica, podendo ser usada placas especiais ou placas de gesso duplas, juntamente de outros materiais, como a fibra mineral.

Além disso o forro de gesso te da opção de forros curvos, removíveis e que auxiliam na redução de odores, melhorando a qualidade do ar.



O forro de gesso pode ser encontrado em dois tipos:

Forro de gesso convencional:

– Mais utilizado em ambientes com dimensões menores onde a menor risco de dilatação, é um forro feito com placas de gesso de 0,60 X 0,60cm encaixadas uma a uma por um sistema de macho e fêmea com fixação de tiro e arame galvanizado.


Forro de gesso acartonado:

– O forro de gesso acartonado é o mais utilizado hoje em dia. Apesar de ter um custo mais alto que o convencional, as vantagens que o acartonado proporciona valem a pena. Citamos como exemplo: Evita os problemas de trinca e amarelamento, muito comum do gesso convencional e pode ser aplicado em qualquer área independente da dimensão.

Forro de Gesso - Detalhes laterais
Forro de Gesso – Detalhes laterais



Além disso o forro de gesso acartonado pode ser de dois tipos:


– Aramado (FGA):
Esse é o mais utilizado, consiste em rebaixamento com painéis de gesso acartonado 0,60×2,00m fixo na laje através de tiro  arame galvanizado.

– Estruturado (FGE): Utilizado mais em áreas onde não há laje e sim telhados. Este consiste em aparafusamento de painéis em gesso acartonado em uma estrutura de aço galvanizado feita independente do telhado, pois é própria para suportar peso e permitir seu trabalho mecânico (dilatação).

A Instalação:

A instalação de um forro de placas de gesso comum começa com a inserção no teto de pinos de aço colocados a cada 60 cm no máximo (tamanho normal da placa), colocados com um revólver especial.
Um arame de aço ou cobre passa por um furo existente no pino e é preso na placa em um furo feito na própria obra, torcendo-o bem para amarrar a peça. Uma massa feita de pó de gesso, água e estopa é colocada junto à parede para reforçar a fixação. A moldura é fixada do mesmo jeito. As placas, com encaixes macho e fêmea nas laterais, recebem a mesma massa para acabamento nos rejuntes, após a retirada dos restos de fios com alicate.
Já as chapas de gesso acartonado (cujas dimensões são maiores, normalmente de 0,60 x 1,20m) são colocadas sob perfis metálicos que são fixados à parede e no teto com tirantes. Um tipo de elevador aproxima as chapas da estrutura metálica, onde são fixadas, com parafusoauto atarrachante, a cada 30 cm, no máximo. Também se parafusa a 1 cm da borda.
O processo começa junto à parede para que as chapas não se comprimam na parafusamento final. O acabamento é feito com massa de rejunte e fita de papel, usada para prevenir fissuras. Uma nova camada de massa finaliza o trabalho (única etapa em que se utiliza água, para fazer amassa). Na instalação do forro suspenso deverão ser observados todos os detalhes previstos no projeto, locando-se previamente os pontos de fixação dos pendurais, as posições de luminárias, as eventuais juntas de movimentação etc.

Forro de Gesso - teto rebaixado
Forro de Gesso – teto rebaixado


Os serviços só deverão ser iniciados depois de concluídos e testados eventuais sistemas de impermeabilização, as instalações elétricas, hidráulicas, de ar-condicionado etc. Deverão também estar concluídos os revestimentos de paredes (curados e secos), as caixilharias (inclusive com a instalação dos vidros) e quaisquer outros elementos que possam ter interferência com o forro de gesso.

 Nos forros em que for empregada pasta preparada na obra (rejuntamento de placas, assentamento de molduras ou cimalhas, etc.), qualquer superfície metálica passível de entrar em contato como gesso (caixilhos, metais sanitários, etc) deverá ser previamente protegida, mesmo que tais componentes sejam anodizados, cromados, etc.